Filmes

O quarto de Jack

Entre 1844 e 1846, o francês Alexandre Dumas publicou, através de folhetins, um de seus romances de maior sucesso, até hoje, entitulado O conde de Monte Cristo. Recebendo inúmeras adaptações ao longo das décadas, a história de vingança promovida pelo protagonista Edmond Dantès tornou-se muito popular por representar uma das forças mais genuínas do homem: a busca pela justiça. O público leitor, é claro, enfrenta as mais de mil páginas do calhamaço de Dumas pois não deseja ver Dantès vitorioso, mas como seu plano de vingança será meticulosamente traçado e executado.

Em O quarto de Jack (Room, 2015), quando Ma conta uma história de ninar a seu filho Jack, é justamente um dos momentos de maior tensão e aventura de O conde de Monte Cristo que ela escolhe. Ao lado dessa obra, o menino Jack lê, em dada cena do filme, o clássico de Lewis Carroll, Alice no país das maravilhas. As duas inserções no roteiro de Emma Donoghue, baseado em seu próprio romance homônimo, funcionam como metáforas inteligentes para a história da mãe confinada em um pequeno quarto, obrigada a ensinar ao filho de 5 anos que aquele único cômodo é todo o seu mundo – e o mistério acerca dos motivos que levaram a protagonista ao quarto do título são mantidos, em boa parte da projeção, em segredo, uma escolha estética semelhante ao modo como Alexandre Dumas segura a atenção de seu leitor enquanto desenrola, em doses homeopáticas, o plano de vingança de seu protagonista Edmond.

image

Imagem: Universal Pictures, 2015

O desafio do diretor irlandês Lenny Abrahamson será, dessa forma, apresentar ao público um conflito que se desenvolve dentro de um ambiente pequeno e fechado. Não que isso não tenha sido realizado antes no cinema, a questão é que realizar um filme nesses moldes demanda pulso firme, além de atores extremamente competentes. Mas Abrahamson parece ter escolhido a dedo os responsáveis por dar vida a Ma e Jack. Enquanto Brie Larson confere nuances harmoniosas que vão do mais feio esgar de choro em momentos desesperadores ao sorriso sincero de uma mãe realizada ao ver a felicidade genuína do próprio filho, o menino prodígio Jacob Tremblay ganha todo o espaço da tela com sua brilhante atuação: entregue de corpo e alma a um papel complexo, repleto de camadas, Tremblay faz rir e emocionar um público que pode reprovar a qualquer momento seu trabalho no filme, já que atores mirins podem cair tão facilmente em uma atuação caricata, forçada. Não é o que ocorre, porém; o Jack de Jacob convence qualquer um de que é uma criança diferente em relação ao tipo de criação que foi obrigada a ter, mas completamente natural e comum no que se refere à visão que tem do mundo ao seu redor e à lógica peculiar que ele desenvolve por conhecer, desde seu nascimento, apenas o quarto onde mora. Room ainda conta com atores de peso em papéis coadjuvantes como Joan Allen, interpretando a mãe da protagonista, e William H. Macy, como seu pai.

image

Imagem: Universal Pictures, 2015

O trabalho de peso dos atores de nada adiantaria se o filme não fosse conduzido de forma segura e competente, mas o irlandês Abrahamson dirige O quarto de Jack com extremo cuidado: closes extremos nos poucos objetos presentes no quarto de Jack e sua mãe enquanto o menino narra, em off, suas impressões de mundo; tomadas mais demoradas enquanto a câmera focaliza os fios dos postes ou a cidade lá embaixo (todas através da visão de Jack); além de pontos de vista de dentro de lugares mais claustrofóbicos que o próprio quarto, levando o público para um aperto psicológico maior ainda.

Apesar de se render a clichês aqui e ali como a velha forma de incluir cenas em câmera lenta quando há um reencontro muito esperado na história ou introduzir uma trilha sonora repleta de cordas, bem cafona, nos ápices do roteiro, o filme relata sua história de maneira realista, sem, porém, chegar a chocar o público com uma possível crueza ou mostrar mais do que seria necessário. As explicações sobre o passado da protagonista, expondo o que houve para estarem ali, naquele momento, trancafiados em um único cômodo, são breves e metonímicas, não se deixando levar por uma verborragia que certamente prejudicaria tanto o ritmo do longa quanto sua poética.

image

Imagem: Universal Pictures, 2015

Não se deixando levar pelo melodrama barato, e mesclando doses de realismo com momentos doces, tocantes – como a cena do corte de cabelo, interrompida por uma única frase que vale o ingresso –, O quarto de Jack traz à tona, ainda, questões importantes como a maternidade e a exploração midiática, mesmo que esses temas sejam pincelados rapidamente dentro da história principal. O filme, principalmente, passa a mensagem de que é necessário buscar meios para uma fuga – eis aqui a metáfora de Monte Cristo – quando o quarto em torno de nós se fecha quase que por completo; e que viver em um mundo fantasioso, bem lá embaixo na toca do coelho – voilà Alice no país das maravilhas, pode ser benéfico até o momento da realidade deixar de existir de vez, e é aí em que o perigo de transpor a linha de um mundo a outro pode nos deixar presos à zona de conforto, aos cárceres que nós construímos para nós mesmos… a cama do quarto de onde não conseguimos levantar.

image

Pôster: InSync + BemisBalkind, 2015

Room, dirigido por: Lenny Abrahamson; escrito por: Emma Donoghue (baseado em sua obra O quarto de Jack)
Com: Brie Larson, Jacob Tremblay, Joan Allen, William H. Macy, Sean Bridgers, Tom McCamus.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s