Filmes

Como Treinar o Seu Dragão 2

Quatro anos após ter sido destaque entre as animações e ter concorrido pela atenção do público e por um Oscar com Toy Story 3, a DreamWorks agora lança a continuação de um de seus melhores filmes, senão o melhor. Carregando consigo a responsabilidade de apresentar um desenvolvimento de trama e personagens, além de precisar, obrigatoriamente, de um enredo que agrade tanto os pequenos quanto seus pais, Como Treinar o Seu Dragão 2 (How to Train Your Dragon 2, 2014) encanta por sua beleza técnica e pelo humor bem pontuado.

O público, que acompanhou a introdução de Soluço e todos os seus amigos e familiares vikings, cresceu. Nada mais justo e interessante agora reapresentar os personagens mais velhos, com novos interesses e com antigas habilidades aperfeiçoadas. Assistir as novas aventuras do protagonista notando que a equipe técnica teve o cuidado de adicionar uma leve barba em seu rosto é constatar que a nova animação do estúdio de Shrek não está interessada apenas em ação e humor físico, mas também em retrabalhar os detalhes de seus personagens, tanto os físicos, quanto os psicológicos e sentimentais. São características que enriquecem a narrativa e aproximam mais o público da história.

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Quanto à história, Como Treinar o Seu Dragão 2 começa da mesma forma que o anterior, com a mesma tomada e a mesma narração em off de Soluço, um recurso utilizado para deixar o espectador confortável, seguro de que ele já conhece aquele espaço e seus habitantes. Basta a câmera focalizar Berk pela primeira vez, porém, que somos apresentados a uma nova sociedade. Aquela que hostilizava a presença dos dragões agora se desenvolve com o auxílio destes, provando, na prática, aquilo que o protagonista defendia desde o seu primeiro encontro com o simpático Banguela. E é esse viés “ativista” de Soluço que irá levá-lo a enfrentar novas dificuldades, agora fora de sua terra natal, encontrando personagens que irão contra a sua linha pensamento e outros que o apoiarão, surgindo aí algumas surpresas – boas e ruins.

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Imagem: 20th Century Fox, 2014

E se a base da animação está com um grupo de personagens mais desenvolvidos como alicerce, as chances de seu enredo funcionar são maiores. É, felizmente, o caso. Estimulados pela possibilidade de enfrentar novas aventuras e dificuldades, Banguela e sua trupe montada em dragões de diversas formas, cores e personalidades acabam por despertar uma antiga ferida na história de Berk e que, é claro, se relaciona com o passado de Estoico, o obstinado pai de Banguela. As relações que se dão a partir daí irão eclodir em um clímax digno de tomadas muito bem realizadas, algumas até lembrando a de filmes épicos: em dado momento, alguns planos aéreos, mostrando uma guerra, são tão bem coordenados que não parecem ser de uma animação infantil.

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Em meio a essas questões, há tempo para momentos de humor leve e gostoso de assistir, com destaque para a gêmea Cabeçaquente, dona de falas e momentos extremamente hilários. Se o desajeitado e bonachão Bocão era o alívio cômico do primeiro filme, a viking, neste segundo capítulo, rouba a cena toda vez que deseja conquistar o amor de um novo personagem. Outro personagem que se destaca nesse quesito é o próprio Banguela. Aliás, se os dragões de cada viking falassem, provavelmente o humor físico destes iriam para o ralo. Banguela, agora totalmente seguro da amizade de Soluço e desenvolvendo habilidades de voo até então desconhecidas, torna-se um dos personagens com maior carga dramática do filme, protagonizando cenas-chave para essa nova parte de Como Treinar o Seu Dragão.

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Imagem: 20th Century Fox, 2014

O ponto negativo da animação é justamente o seu vilão, Drago. Totalmente unidimensional, o personagem tenta criar uma tensão que não existe (e a dublagem para o português reforçou ainda mais essa perda, não sendo muito bem executada em relação aos demais presentes em cena), sendo aquele que deseja apenas fazer o mal e ponto, não dando espaço para reviravoltas e surpresas. Há um personagem, inclusive, que cria uma tensão palpável logo em sua primeira cena: vestindo uma máscara rudimentar, talvez irá habitar as noites das crianças mais novas que assistirem ao filme. Não me aprofundarei mais neste personagem para não dar spoilers da trama. Só a introdução dele, porém, é muito melhor dramaticamente desenvolvida do que toda a participação de Drago.

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Não contentes com um grupo sólido e interessante de personagens e uma computação gráfica de primeira, a DreamWorks também resolveu caprichar na trilha sonora do filme, presente em quase todas as cenas, indo de uma melodia calma para uma mais urgente conforme o andar da carruagem, conferindo mais um peso positivo para a nova produção do estúdio. Esse conjunto de elementos é ressaltado pelo 3D imersivo, criando camadas em todos os cenários e brincando com o público com cenas que mostram os voos ágeis dos dragões, ou como em uma determinada cena em que Banguela cai na água, deixando as milhares de bolhas fluir pela tela do cinema.

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Imagem: 20th Century Fox, 2014

Como Treinar o seu Dragão 2 também prepara o público para o terceiro filme da franquia, já confirmado pela DreamWorks para 2016. Até lá, é possível aproveitar todo o desenvolvimento empregado nesta segunda parte, que veio para complementar e enriquecer o primeiro filme e, assim como Banguela, possui muitas qualidades escondidas para serem exibidas com o tempo. Tomara que a terceira parte, no entanto, apresente um vilão mais digno de estar na franquia. E que não tenha tanto fetichismo por membros amputados.

Pôster: Midnight Oil, 2014

Pôster: Midnight Oil, 2014

How to Train Your Dragon 2, dirigido e escrito por: Dean DeBlois (baseado na obra de Cressida Cowell).

Originalmente com as vozes de: Jay Baruchel, Cate Blanchett, Gerard Butler, Craig Ferguson, America Ferrera, Jonah Hill, Kristen Wiig, Kit Harington, Djimon Hounsou.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s